terça-feira, 11 de agosto de 2020

Uma visão espiritualista sobre a pandemia


Uma visão espiritualista sobre a pandemia

Nesse ano de 2020 temos passado por sérias dificuldades relativas ao avanço do coronavírus, limitações de confraternizações, um medo constante de ter a  sua saúde e a de pessoas próximas afetada, medo de perder entes queridos(principalmente idosos e de outros grupos de risco), limitações para trabalhar, muitos perdendo o emprego e muitos não conseguindo cumprir os compromissos e dívidas adquiridas em outra realidade e com outra expectativa de futuro. Apesar de normalmente só enxergarmos esta faceta desse momento, tem sim, vários outros aspectos a serem analisados e aproveitados quando olhamos para tudo isso com um olhar espiritualista. Como veremos, assim como em outras grandes crises e guerras, onde sempre se tiram lições valiosas e sempre se tem algum tipo de avanço, o coronavírus é também uma oportunidade.

Em primeiro lugar, é uma oportunidade de refletir em tudo que está errado na humanidade, sobretudo, quanto a exploração de nossos recursos naturais. Em um curto período em que o bicho homem parou suas atividades fabris e recreativas, a natureza agradeceu muito. Águas límpidas como há muito não se via, grandes centros industriais com um ar puro contrastando com a realidade anterior, são apenas alguns exemplos disso. Sei que quando falamos disso parece hipocrisia e na verdade é. 

Todos querem proteger o meio ambiente, mas praticamente ninguém quer renunciar a suas facilidades para que isso seja possível. Nos acostumamos a viver de tal forma, com tamanhos excessos e desperdícios, que se torna muito difícil de enxergar uma saída. Somos estimulados ao consumismo, onde trabalhamos muito para comprar coisas que não precisamos. É verdade que isso gera empregos, mas enquanto o ser humano não se adaptar para viver harmonicamente com os outros seres, a conta vai chegar. E tem chegado a prestações, com inúmeros desastres naturais, dos quais essa pandemia é apenas um. 

No entanto isso não nos impede de fazer uma reflexão e de tentar fazer um trabalho de formiguinha, a cada dia melhorando um hábito, adotando novas rotinas e escolhendo melhor o que consumir. Parece conversa de ecologista, mas são apenas fatos. O resto da natureza não foi feita para o homem abusar a seu bel-prazer. Nós umbandistas sabemos mais do que ninguém o sagrado que habita em cada elemento da natureza. Poderíamos refletir muito mais sobre isso mas não é o propósito do texto.

Esse momento pode ser também precioso para o desenvolvimento pessoal, na correria do dia-a-dia as pessoas não têm tempo para organizar as ideias, para pensar para onde querem ir e para onde estão indo, normalmente só vamos, sem pensar nos ajustes de percurso necessários para alcançar nossos objetivos. Com esse isolamento, estamos sendo forçados a buscar as respostas mais dentro de nós mesmos, avaliando possibilidades e soluções, tendo ideias, com toda a certeza seremos outras pessoas quando tudo se normalizar, ou pelo menos deveríamos ser. Pessoas que estavam com dificuldades de se fixar em um emprego, por exemplo, estão tendo um tempo para se preparar para o momento em que tudo voltará ao normal. Sabemos que o preparo não é só de cursos e qualificação profissional (que estão ocorrendo online) mas também em uma mudança de atitude, de uma leitura sóbria dos passos errados do passado e da tentativa sincera de ser melhor.

A pandemia também serviu para liberar o que as pessoas têm dentro de si, muitos demonstram compaixão nesse momento em que o outro está com dificuldades. Pessoas tem entregado cobertores e alimento a quem necessita,em plena pandemia, expondo sua saúde a contrair o vírus. Aqueles que tem dinheiro para receber de alguém que devido a situação não poderá honrar a dívida, está tendo que compreender... E muitos tem compreendido e sido caridosos. E que aquele que deve e teve sua dívida congelada, está tendo também a chance de congelar a de quem o deve, assim como na oração do pai nosso: “Perdoai nossas ofensas(dividas), assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido (devido)”. 

Por outro lado, a pandemia tem também aflorado todo o ódio e egoísmo do coração dos que os tem. Os poderosos legisladores e líderes de governo, com a desculpa de cobrir os gastos da pandemia, tem aprovado cortes de direitos do trabalhador pobre e classe média baixa. Enquanto para os poderosos do legislativo, do judiciário, para os ricos e também para os líderes do executivo nada tem sido perdido, inclusive, eles têm tido aumentos reais e significativos. Ou seja, cortam na carne do pobre para garantir seus privilégios. São as doenças do Brasil, um país rico que é saqueado pelo próprio brasileiro há séculos. Com certeza tudo isso também tem um propósito, o aumento desses abusos talvez possa ser, lá na frente, o início do estopim para que o trabalhador exija mudanças. Mais uma vez vamos encerrar por aqui para não fugir ao tema.

Nesse texto tentamos mostrar a pandemia além do que estamos acostumados, sobre o que se pode tirar de positivo em um momento tão difícil, o que ela tem despertado nas pessoas. Falamos também dos aspectos ambientais e políticos que podem parecer que fogem do aspecto espiritual, mas que na verdade também se relacionam. Ressalto que essa é apenas uma leitura do cenário por um espiritualista, longe de ser uma verdade absoluta. Qual é a sua opinião? Aguardamos seus comentários.

Axé

Ricardo de Ogum Matinata

 


Nenhum comentário:

Postar um comentário