quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Cristais

Cristais



“A terapia dos cristais, muito em voga nos dias de hoje, é uma prática milenar por possuírem poderes de cura e muitas culturas antigas acreditavam nisto como sendo algo normal, um fato natural da vida.

Atualmente, sabemos que todas as coisas no universo são formas de energia com a sua própria vibração – incluindo os cristais. Nikola Tesla declarou este conceito como a chave para a compreensão do universo e provou como certas formas de energia podem alterar a ressonância vibracional de outras formas de energia.” Disponível em: <<http://despertarcoletivo.com/o-uso-das-pedras-e-cristais-por-civilizacoes-antigas/>>

É nisso que consiste a base da terapia dos cristais, o cristal irradia energia e o corpo a absorve.

As pedras, em suas propriedades energéticas, dividem-se em dois grupos, quentes e frias, nos quais as pedras quentes correspondem à energia do sol e, por esse fato, é na energia solar que ela é recarregada. Essas pedras se relacionam com os 3 chácras inferiores (básico, sacro e plexo solar).

Já as pedras frias são aquelas associadas à energia da lua e correspondem aos 4 chácras superiores (cardíaco, laríngeo, frontal e coronário).

Como a pedra troca energia, é natural que em dado momento ela esteja saturada de energias estranhas à sua. Neste caso, é necessário fazer a limpeza dessa pedra e novamente recarregá-la. O ideal é que seja limpa em água corrente. Após a limpeza, deve-se energizar a pedra para que ela possa ser utilizada novamente. As pedras quentes deverão ser expostas ao sol por algumas horas, já as pedras frias à lua. Esse simples cuidado é o suficiente para que a pedra retome sua qualidade energética.

Cromoterapia e a relação das pedras com o chácras



Associação das pedras com os Orixás:

Dentre outras, relaciona-se a Oxalá o cristal, Logunã o quartzo fumê; Oxum citrino, Oxumarê fluorita; Oxóssi esmeralda, Obá olho de leopardo; Ogum hematita, Oya quartzo rutilado; Xangô rubi, Oroiná ágata de fogo; Obaluaê e Nanã ametista; Iemanjá água marinha, Omolu ônix; Exu turmalina negra, Pombogira rubi, Ibeji quartzo rosa.

Os cristais relacionam-se à mediunidade pelo fato de a glândula pineal, responsável pela comunicação espiritual, ter em sua constituição cristais de apatita.

O espírito: “Este, sim, dorme no mineral, sonha no vegetal, agita-se no animal e acorda no hominal, numa representação da escalada evolutiva do espírito, que, fatalmente, atingirá a perfeição relativa.” (Leon Denis)

Hélida de Nanã
&
Ryan de Oroiná

Nenhum comentário:

Postar um comentário