quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Encarnação nos diferentes mundos


Encarnação nos diferentes mundos

Vamos dar continuidade aos estudos da obra O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec. No texto de hoje continuamos a abordagem do Cap IV – Livro II.
Como dito anteriormente, existem diversos outros mundos habitados criados por Olorum. Logo, um espírito pode reencarnar em outro mundo, caso isso seja necessário para o cumprimento de sua missão. Já dizia Oxalá: “Há várias moradas na casa de nosso Pai”, assim como existem inúmeras moradas possíveis para os espíritos criados por Ele.
Independente de qual mundo seja feita a reencarnação, o processo será feito em um corpo material, já que o espírito precisa estar envolto em matéria para dar prosseguimento em sua evolução.
A reencarnação é um instrumento que o Criador nos proporciona para evoluirmos espiritualmente. Ela sempre será feita com um propósito, qualquer que seja o mundo, sendo que é possível o espírito, no ato do encarne, escolher em qual mundo o fará, dependendo do grau evolutivo em que se encontra.
Em todas as nossas encarnações passaremos pelo período da infância, sendo este o período quando amadurecemos nossas ideias e conceitos.
A inteligência adquirida em uma vida não se perde ao desencarnar, porém, não dispomos dos mesmos mecanismos para manifestá-la. Algumas vezes, interpretamos como intuição ou pressentimento, mas na verdade é reflexo de conhecimento acumulado em vidas passadas ou a ação de nossos guias espirituais nos protegendo. 


Os diferentes mundos existentes possuem graus evolutivos diferentes, e um espírito pode reencarnar em um mundo de grau inferior em caso de missão para ajudar no progresso daqueles que necessitam. Porém, o que não ocorre é um espírito que reencarna por expiação, reencarnar em um mundo inferior, visto que os espíritos podem permanecer estagnados, contudo não retrogradam.
O que ocorre normalmente é: se cumprimos o nosso propósito da vida em que vivemos, a vida subsequente será em uma realidade mais desenvolvida. Caso contrário, o espirito reencarna na mesma realidade e com o mesmo propósito. Isso ocorre com nossa coroa, nascemos com três Orixás regentes e as características do nosso orixá de frente nos diz muito sobre os aspectos que temos que evoluir. Quando um filho toma as características de seu Orixá de frente como sua verdade absoluta, e não como o que deve ser melhorado, ele está atrasando sua evolução. Por consequência, pode ser que em sua próxima encarnação possua o mesmo orixá de frente até que encontre o caminho que deve seguir.
Quanto mais evoluído um espírito se encontra, menos ligado à matéria está sua vida e mais próximo de Olorum está.
Nos mundos superiores à Terra, as guerras são desconhecidas, os ódios e as discórdias não têm motivo, visto que ninguém se preocupa em causar dano a seu semelhante. Ao fim, o que resta é somente o períspirito, a forma etérea onde a matéria faz-se dispensável. São estes os ditos espíritos puros, que encontraram o grau máximo de evolução. Estes habitam certos mundos, porém não se encontram confinados a eles como os homens sobre a Terra. Eles podem, melhor que os outros, estarem por toda parte.


Diego de Oxóssi

Nenhum comentário:

Postar um comentário