terça-feira, 5 de setembro de 2017

Cangaceiros

Cangaceiros


Os Cangaceiros na Umbanda são um grupo de trabalho que trazem o arquétipo do povo cangaceiro do nordeste do Brasil. Para entendermos melhor qual arquétipo é esse temos que compreender quem eram os cangaceiros nordestinos. Toda história tem dois lados e o lado de quem a conta que é guardado, por isso sempre devemos avaliar muito bem a visão dos autores que escrevem.

A palavra cangaço vem de canga, que é a peça de madeira usada para prender junta de bois a um carro de boi ou arado, também já foi usada antes dos grupos que conhecemos como cangaceiros para se referir a bandos de camponeses pobres que habitavam os desertos do nordeste, vestindo roupas de couro e chapéus, carregando carabinas, revólveres, espingardas e facas longas estreitas conhecidos como peixeiras por volta de 1800.

Existiram vários grupos de Cangaceiros no Brasil, o cangaço surgiu devido a revolta do povo pelo governo (após 1900), devido a miséria, desleixo e o controle na mão de grandes latifúndios. Com isso grupos armados se organizaram, saqueavam cidades e atacavam os ricos e distribuíam para os mais pobres. Mas como tudo também tem seu lado negativo, começaram a surgir bandos de cangaço que trabalhavam também para os latifundiários, conhecidos por Coronéis, saqueando todos apenas pelo dinheiro, cometendo crimes e atrocidades.

Bando de Lampião


O grupo mais famoso foi o de "Lampião", Virgulino Ferreira da Silva, nome dado devido a sua forma de atirar, que de tão rápido iluminava o lugar e o cano de sua arma ficava vermelho como o de um lampião. O bando de Lampião foi criado pela revolta ao governo, sendo assim o governo com uma contra resposta classificou seu bando de extremista, criando uma imagem terrível dos cangaceiros e dando sentença de morte a todos cangaceiros que não se rendessem. 

O bando de Lampião não se rendeu e em 1938 foi morto em uma emboscada juntamente com sua mulher Maria Bonita e mais nove cangaceiros. Suas cabeças foram arrancadas e colocadas em aguardentes e cal e expostas por todo nordeste. Esse fato marcou o fim do cangaço, onde os outros bandos deixaram de existir.

Os cangaceiros na umbanda trazem a força do bando de Lampião que é um bando que lutou pelos mais fracos ou outro bando que lutou por essa causa, não carregam os bandos que não lutavam pela causa dos menos favorecidos. A marca registrada do cangaceiro é sua vestimenta, roupas, chapéus, luvas tudo em couro e muito enfeitado com laços e metais e vários símbolos nas roupas, armas como rifles e punhais. Ao chegar em um terreiro mostram sua força, sendo destemidos de qualquer mal e dispostos a resolver os problemas sem "dar voltas".


Executam trabalho de proteção do terreiro, afastando os espíritos zombeteiros e formando proteção. São trabalhadores novos na umbanda, devido o cangaço ser relativamente recente e devido a umbanda ser religião brasileira ela traz a história marcante do povo brasileiro que tanto sofreu, mas mesmo com todos erros estão dispostos a evoluir moral e espiritualmente. 

Fumam cigarros de palha, bebem bebidas fortes, suas cores variam com a de seu Orixá de acordo com cada guia, suas ervas e frutas são aquelas encontradas no sertão e seu ponto de força é o de acordo com cada guia, mas geralmente são lugares abertos, campinas, com areia e terra, lembrando a seca do nordeste. O dia é terça-feira, e saudação é Salve Cangaceiros! Alguns cangaceiros conhecidos, Lampião, Maria Bonita, Maria do Cangaço, Chiquinho Cangaceiro, Cangaceiro do Capão Comprido, Severino, Mergulhão, Elétrico e outros.

Salve os Cangaceiros!

Igor de  Oxum

Nenhum comentário:

Postar um comentário