sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Baianos

Baianos



A linha dos Baianos é formada por espíritos alegres, brincalhões e descontraídos, seu arquétipo recebem grande ligação com o pai Oxalá.

Nas giras eles sempre se apresentam com fortes traços regionais do nordeste brasileiro, sua fala é mansa com um sotaque bem arrastado. São ótimos ouvintes e também tem a capacidade de dar ótimos conselhos, são carinhosos e passam segurança ao consulente que tem fé. Trabalhos com a corrente dos Baianos trazem muita paz, passam perseverança para conseguirmos lidar com o dia a dia na nossa jornada terrena.

Alguns Baianos: Simão do Bonfim, Januário, Zé do Ouro, Juvêncio, Juvenal, Mané Baiano, Zé Baiano, Zé da Estrada, Zé da Estrada e dos Trilhos, Zé Tenório, Zé do Côco, Zé Pereira, Zeca do Côco, Zé Pretinho, Zézinho Baiano, Baiano dos Sete Cocos

Alguns nomes simbólicos de Baianas: Maria do Balaio, Rosa Baiana, Baiana da Estrada, Maria Fulô, Januária, Maria (ou Baiana) do Rosário, Maria dos Anjos, Baiana dos Sete Nós, Baiana dos Cocos, Maria Mulata, Chica Baiana, Maria das Candeias, Maria dos Remédios. 

Eles trabalham contra espíritos invasores, obsessões e kiumbas(espíritos "perdidos"), eles absorvem toda essa carga negativa, outra forma de trabalhado dessas entidades é a doutrinação de espíritos que se negam ser ajudado. 

Na sua forma de trabalhar, trazem muito das qualidades de mãe Iansã: são bastante ativos, movimentadores, irrequietos, despachados e descontraídos. Sua dança tem movimentos característicos, com gingados, “pisadas” e giros que dissolvem as energias densas acumuladas no ambiente e nas pessoas.

A origem dessa linha nasceu a partir dos arquétipos do povo brasileiro, ex: caboclo homenageava o guerreiro nativo, Preto Velho homenageavam os anciões pacientes, sábios humildes e da bondade infinita, trazidos da mãe África.

Novas linhas foram se apresentando gradualmente, se adaptando as mais novas devido a crescente necessidade do nosso meio, já que na Umbanda o trabalho espiritual esta voltada para a evolução da humanidade.

Resumidamente a linha dos Baianos foi criada para acompanhar as mudanças e atender as principais necessidades humanitárias que dela emergiam. Já que a Umbanda reflete valores culturais e religiosos do nosso povo.

Os Baianos nos ensinam muitas coisas, eles nos estimulam a nunca abaixar a cabeça para os problemas da vida, nos ensinam a não ficar se lastimando,  mas agradecer pela vida que tem e ir em frente, a confiar em si e em Deus, nos ensinam a montar planos de ação para começar a resolver problemas pendentes, a nos cuidar, manter bons sentimentos e pensamentos firmes, através de orações, banhos, rezas.

Usam como instrumentos de trabalho guias, nas cores amarela ou laranja, isso dependendo muito da entidade, usam para defumação cigarros de palhas, fumos de rolo, usam chapéus de palha ou de couro para a proteção da coroa do médium. 

É cada vez maior o número de Baianos que se manifestam nos terreiros de Umbanda, onde atuam sob o amparo das sete vibrações Divinas, assim movimentando, direcionando e reordenando os campos da fé, do amor, do conhecimento, da justiça, da lei, da evolução e da geração. Por isso encontramos Baianos e Baianas filhos de qualquer Orixá. Possuem ainda um trânsito muito bom pelos caminhos de Exu, podendo trabalhar na linha da Esquerda no momento em que isso se torne necessário.

É da Bahia, Meu Pai!

Bruno de Oxóssi

Um comentário: