sexta-feira, 20 de julho de 2018

Forma e Ubiquidade dos Espíritos

Forma e Ubiquidade dos Espíritos 

Neste texto, trataremos sobre a forma e ubiquidade dos espíritos, tema presente no capítulo I da segunda parte do livro dos espíritos. Alan Kardec indaga se os espíritos possuem uma forma determinada, limitada e constante, se os espíritos gastam algum tempo para percorrer o espaço, se eles se transportam com consciência dessa distância,  se há algum obstáculo material a esse percurso e se os espíritos podem se dividir. 
Conforme explicação, os espíritos para nós encarnados não têm uma forma determinada. Isso se dá, haja vista nossa limitação humana de sentidos e, por isso se diz que o espírito é um clarão ou uma chama, pois é o que nossa concepção em relação à matéria nos permite compreender.  A cor desse clarão ou chama, irá variar de uma cor clara à escura, conforme o grau evolutivo de cada Espírito. Quanto mais materializado o espírito, mais escuro o clarão e vice-versa. 
Os espíritos se deslocam através do pensamento. O tempo de percurso variará conforme a velocidade do pensamento. Para se compreender isso, basta você pensar em um local que você já esteve e que tenha lhe agradado muito. Você imagina no ambiente observando cada detalhe, o cheiro, a sensação, como se lá estivesse. O seu corpo parado, mas seu pensamento lá, e é isso que ocorre. O espírito não sai do corpo e vai até lá, mas a essência do espírito, através do pensamento, vai até o local.  


E quando o espírito está desencarnado, esse deslocamento se dá através dos pensamentos, e pode subitamente estar em um local, bem como pode se inteirar da distância desse deslocamento, conforme seu grau de evolução. Se for um espírito ainda apegado ao mundo material, suas percepções estarão mais materializadas, logo com pouca compreensão ainda das faculdades de espírito e, portanto, mais limitadas. Ressalta-se que nesses trajetos não há obstáculos materiais, visto que os espíritos podem transpassar paredes, água, fogo, ar, terra, etc.
Sobre a ubiquidade dos espíritos, é necessário se mencionar que não há divisão de um mesmo Espírito. Cada um é um centro que irradia para diversos lados e quanto mais puro e evoluído maior essa irradiação. Isso é que faz um espírito parecer que está em vários locais ao mesmo tempo. É como o Sol, que é apenas um e irradia em todo lugar. Cada espírito é uma unidade indivisível e que pode lançar seus pensamentos em vários locais , sem que se fracione.
Diante disso, podemos explicar o porquê dos guias de umbanda estarem em vários lugares ao mesmo tempo. Isso se dá em decorrência da grandeza e evolução dos mesmos, trabalhando em vários terreiros e centros espíritas através de suas irradiações, sendo isso inclusive repassado também  pelo Sr Exu Pimenta  e pelo Baiano Zé do Côco, entidades que também trabalham em nosso terreiro. 



William Pink de Oxalá e Natália de Iemanjá

Nenhum comentário:

Postar um comentário