segunda-feira, 23 de julho de 2018

O Perispírito

O perispírito

Sabe-se que espíritos são ditos como imateriais - ou incorpóreos, como definido por estes -, uma vez que, como já informado em outros textos do blog, não possuem matéria física compreensível à nossa capacidade de abstração de significação precisa e/ou próxima da realidade.
Sabe-se, também, que são eternos e que vivem em mundo próprio que também o é; Que estão em todo o universo, executando os desígnios divinos; Que têm forma e cor que corresponde à sua pureza, indo do "colorido escuro e opaco a uma cor brilhante, qual a do rubi"; Que, como são imateriais, a matéria não lhes é um obstáculo;
Que as distâncias podem, ou não, ser percebidas por eles, dependendo de seu grau de depuração e de sua vontade, visto que podem se locomover no espaço com a velocidade do pensamento - o que nada mais é do que a própria alma exercendo sua existência;
Que podem estar em diversos lugares ao mesmo tempo, sem se dividir, pois isso não é possível ao espírito, ou seja, sua forma lhes permite irradiar sua força e existência a diversos pontos ao mesmo tempo, tal qual o sol o faz, sem se dividir, porém vale ressaltar que sua força é equivalente à sua depuração.
Cabe, agora, transmitir-lhe mais algum conhecimento: O perispírito


Os espíritos, sendo incorpóreos, não têm constituição semelhante à nossa, porém, isso não significa que não possuem constituição alguma. São envoltos em uma substância vaporosa - aos nossos olhos - e grosseira à existência deles, porém vaporosa o bastante para que flutuem e se locomovam por todo o universo. Tal substância não é única a todos os espíritos: é uma emanação equivalente a cada globo pelo qual transitam. Um exemplo plausível e de fácil abstração são os uniformes de empresas que, uma vez que se mude de empresa, muda-se também o uniforme e, assim, passa-se a se apresentar em conformidade com os indivíduos que ali trabalham. Esse "uniforme" é a roupagem pela qual os espíritos manifestam sua forma aos nossos sentidos podendo ser, mediante sua vontade/ necessidade, visível e, até mesmo, palpável.
Na Umbanda, o perispírito corresponde à forma pela qual o espírito se plasma (se apresenta), permitindo a nós, a visão - para médiuns clarividentes - e/ou a compreensão - por meio de suas vestimentas e acessórios - do arquétipo de cada guia que se manifesta.
Para os médiuns clarividentes, a visualização depende da permissão do espírito para tal e, como dito, este vê a forma que o perispírito adquire quando o mesmo vem sob os preceitos e ensinamentos de determinada linha de arquétipos da umbanda, como por exemplo, a linha dos caboclos, que são vistos como índios fortes, sérios e destemidos.
Já os médiuns que não têm clarividência aflorada, é necessário que o espírito (guia) esteja incorporado para que possamos "vê-lo", pois o médium de incorporação (aparelho) assume seus trejeitos e faz uso de seus adereços como cocar, chocalhos e arco e flecha, no caso dos caboclos.

Axé a todos!
Até o próximo texto!



Matheus de Obaluaê

Nenhum comentário:

Postar um comentário