sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Das Ocupações e missões dos espíritos

Das Ocupações e missões dos espíritos

No livro II dos Espíritos, capítulo 10 é tratado sobre as ocupações e missões dos espíritos, tema a ser abordado no presente texto. Todos os espíritos têm ocupações e missões a cumprirem, sendo encarnados ou no plano espiritual. Essas ocupações são contínuas e não chegam a levar os espíritos à fadiga, pois são livres de qualquer tipo de egoísmo existente. Independente de o espírito ser mais evoluído ou não, terá uma determinada missão a cumprir e sendo cumprida, terá outra diferente e assim sucessivamente.

Os espíritos são instrumentos de Deus para cumprimento de seus desígnios. O grau das missões determinadas se dá de acordo com o grau de evolução de cada espírito e as falhas cometidas são uma forma de progressão. Não se dá a tarefa de um professor a um aluno. As missões dadas aos espíritos não são impostas, mas podem o ser de acordo com suas vontades e necessidades. Quando encarnados, as missões já são predefinidas antes mesmo do nascimento e podem tornar-se um pouco vagas, pois a partir do momento em que o espírito esquece suas memórias passadas, as mesmas podem não fazer mais sentido. Mas Deus coloca situações no decorrer da vida para que, mesmo não se recordando, volte ao caminho definido anteriormente.


O espírito que não é considerado superior, às vezes vai falhar em sua missão por própria culpa e terá como punição recomeçar do início e se tiver causado algum mal, terá que arcar com as consequências, da mesma forma ocorre com aqueles homens que se enganam e propagam grandes erros (estão abaixo da tarefa que propuseram a cumprir).
No caso de missões importantes e de interesse geral, Deus não confia aos que hajam de abandoná-las pela metade, Deus já sabe aqueles que irão até o fim.

Segundo os espíritos, a paternidade é um exemplo de missão e ao mesmo tempo um dever muito grande que envolve responsabilidade quanto ao futuro. Os pais devem orientar e ensinar os filhos o caminho do bem, porém se o filho não seguir esse caminho, não necessariamente foi falha dos pais, mas os pais devem se empenhar ao máximo a essa missão para que isso não ocorra. Temos casos onde os pais foram negligentes na missão e os filhos se tornaram pessoas do bem, observaram as atitudes dos pais e não seguiram como exemplo.

“Deus é justo!” 
Dentro da umbanda, os guias têm suas missões predestinadas a serem cumpridas visando sempre ajudar a nossa evolução e a deles mesmos. Dedicam-se a nos amparar de acordo com a necessidade do momento. 


Karine de Nanã e Júnior de Oxalufã

Nenhum comentário:

Postar um comentário