segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

Poder oculto. Talismãs. Feiticeiros

Poder oculto. Talismãs. Feiticeiros

As questões 551 a 556 do Capítulo IX, Parte Segunda da obra “O livro dos Espíritos”, versam sobre uma miscelânea de assuntos que englobam o poder oculto, talismãs e feiticeiros, tema em apreço. Trata-se o presente texto de uma abordagem objetiva, de caráter elucidativo, porém, de profundo esclarecimento, que engloba os aspectos doutrinários, fenômenos, sintonia e poder magnético, todos relacionados entre os encarnados e o mundo espiritual.

Inicialmente, temos como base que a lei de Deus é uma lei de justiça e de amor. Partindo desse pressuposto, Deus não permite que um homem mal faça mal a outras pessoas, utilizando de Espíritos, pois isso foge completamente dos dogmas divinos. Aplicando o entendimento devido, pressupõe-se que as outras pessoas as quais Kardec se refere na primeira questão, estão em uma faixa vibratória superior a de um homem mal. Então, estas pessoas e os Espíritos não se encontram em sintonia, uma vez que não estão no mesmo nível.

O poder oculto ou forças ocultas, também chamado de misticismo, resume-se em coisas que acontecem e são inexplicáveis. Para o Espiritismo, não existe o sobrenatural, tudo que acontece tem uma explicação, causa e efeito, ou seja, é natural. Com isso, não existem poderes mágicos ou feiticeiros, existem aqueles que trabalham com o poder do magnetismo, influenciando pessoas e coisas através do psiquismo, principalmente as plantas que não possuem inteligência e se apresentam sensíveis aos fluidos magnéticos. Estas pessoas que dispõem de força magnética podem fazer o uso dela para o bem ou para o mal, dependendo da sintonia associada entre: o padrão vibratório que estão, a finalidade que buscam e os Espíritos, todos estes estando no mesmo nível vibratório.


Acontece às vezes de algumas pessoas dizerem que pegaram “mau olhado”, “olho gordo” ou outro mal. Essas pessoas estão equivocadas. O que acontece é que pessoas que estão dominadas por sentimentos inferiores, como a raiva, o estresse, a tristeza, a angústia, quando encontram pessoas na mesma faixa vibratória, descarregam essa onda de sentimentos negativos e conseguem atingir cargas perturbadoras, justamente pela sintonia que estão, conforme exposto acima.

Sobre o poder magnético já discorrido, registra-se que alguns médiuns tem o poder da cura com o magnetismo. Magnetismo este semelhante ao utilizado para aplicação de passes espirituais, reiki e outras terapias holísticas que envolvem o uso da imposição das mãos para canalizar energias.

Especificamente sobre o poder oculto de talismãs e feiticeiros, este se refere ao poder fluídico que todos nós temos. É a capacidade de emissão de fluidos conforme nossos pensamentos e nossa vontade, os quais podem ser encaminhados a outra pessoa que está no mesmo padrão vibratório. É necessário, portanto, que haja sintonia entre ambos e que a pessoa que recebe os fluidos aceite e queira que os fluidos cheguem até si.


Feiticeiros, por sua vez, são pessoas que possuem uma amplitude de poderes fluídicos e manipulam estes para diversos males. Se eles quiserem ser investidos para o bem, também podem, aí terão o poder de cura. Tudo depende da capacidade moral e da sintonia relacionada entre os encarnados. Estes poderes derivam dos sentimentos emanados pelas pessoas e não do conhecimento que a pessoa possui. Muitas pessoas, sem conhecimento prévio, pensam que estes feiticeiros são dotados de forças sobrenaturais, porém eles não o são, apenas sabem coisas que não temos conhecimento, que para muitos são incompreensíveis.

Já os talismãs são objetos gravados com símbolos cabalísticos que existem pela razão de ainda sermos seres muito ligados à matéria, então, precisamos dela para nos remeter à essência divina, para compreendermos que somos seres espirituais.

Finalmente, é importante destacar que os Espíritos são atraídos pelo pensamento e não por coisas materiais. Objetos e elementos ritualísticos de origem vegetal e mineral ou alimentos, flores e velas, entre outros, representam um meio de nos ligarmos espiritualmente ou energeticamente com os Orixás e as Entidades, que utilizam estes elementos como agentes decantadores, absorvedores e condensadores de energias. Esses elementos são ofertados para diversas finalidades, como por exemplo: agradecimentos, pedidos, quebras de demandas, aberturas de caminhos, rituais de firmezas e assentamentos.


Ainda sobre o uso de elementos, destacamos que geralmente são utilizados em despachos, oferendas e demais trabalhos que são feitos. Insta salientar que esses trabalhos devem sempre ser respeitados, mesmo que a pessoa não acredite, e nunca temidos. As crenças e não crenças que cada um tem devem ser respeitadas e não se deve criticar ou questionar trabalhos desconhecidos, as consequências podem ser severas, pois existem Espíritos que ainda são ligados à matéria.

Ressalte-se que na umbanda, todas as práticas de magia ou qualquer envolvimento de poderes ocultos, dentro de um terreiro, são para o bem e sempre respeitando o livre arbítrio das partes envolvidas. Ainda, não existe troca de favores entre consulentes e Entidades, nem cobrança de nada que é feito, uma vez que deve ser praticada a caridade, conforme os três pilares que sustentam a religião: amor, humildade e caridade.

Sorte é estar na proteção de Deus. Independente de talismãs, amuletos ou qualquer outro objeto, temos que ter fé. É a prece e a confiança em Deus que nos salva, nos auxilia em nossas dificuldades e dá o prosseguimento necessário.

Saravá!


 Helder de Logunam

Nenhum comentário:

Postar um comentário