quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Ideias inatas


Ideias inatas

As perguntas feitas no Capitulo IV da Segunda Parte do Livro dos Espíritos são relacionadas às ideias inatas. Para melhor entendimento, precisamos saber o que são essas ideias.
As ideias inatas são vagas lembranças dos conhecimentos, das virtudes e dos aprendizados que os espíritos trazem de encarnações passadas. Elas não são reconhecidas como quiméricas (fantasia, imaginário), pois o Espirito, ao reencarnar, reflete uma imagem do que foi antes, mas às vezes para sua evolução, precisa seguir novos direcionamentos. Partindo da premissa que os espíritos são imortais, as ideias inatas das vidas passadas não são perdidas. Quando libertos da matéria têm total lembrança e ao reencarnar lembram apenas das necessárias para sua evolução naquela vida.


As reencarnações sucessivas nem sempre têm conexões umas com as outras, porque o Espírito pode ter uma grande evolução no intervalo entre uma e outra.
Alguns indivíduos apresentam certos dons sem estudo prévio, tendo como origem a vivência passada, mesmo não tendo consciência de onde ela provém.
Quando a faculdade é empregada de forma errada em uma encarnação, ela pode ficar adormecida na próxima, para o espírito exercer outra que não se relaciona com ela, conforme a necessidade de evolução espiritual.
Na pergunta número 221, Kardec questiona sobre o conhecimento do espírito em relação à existência de Deus. Os espíritos respondem que ao reencarnar, essa lembrança é conservada, porém, o orgulho existente no encarnado, faz com que aquele conhecimento, aquele sentimento sobre Deus seja abafado, causando um pouco de esquecimento.
Correlacionando com nossa Umbanda, os guias nos ensinam que, apesar de todo acontecimento servir como aprendizado e evolução, devemos absorver e guardar para nós apenas o que for bom. Coisas negativas devem ser esquecidas para dar espaço para outras virem. Não devemos perder a fé e nem deixar que o orgulho faça com que esquecemos que existe um Ser superior que nos ama e quer nosso bem.

Karine de Nanã

Nenhum comentário:

Postar um comentário