sábado, 15 de julho de 2017

Orgulho e Julgamento


Orgulho e Julgamento


   Falaremos hoje de duas atitudes negativas e ligadas entre si que são muito comuns na natureza humana. Parece um tema subjetivo e que foge um pouco do universo umbandista, mas veremos que, na verdade, o orgulho e o julgamento, fazem parte do dia a dia de todos. São responsáveis em grande parte pelo sofrimento das pessoas e podem prejudicar muito a atuação não somente da umbanda, mas de qualquer religião.

   Pessoas muito orgulhosas frequentemente são levadas a situações em que se sentem humilhadas ou com vergonha. Na verdade essa humilhação não é causada por outras pessoas e nem por nada externo. Quem se sente envergonhado é porque se acha bom demais para passar por alguma situação que esta vivendo e sabemos pela lei de Deus, que se ela está passando por isso é porque merece, até para seu próprio aprendizado. A vergonha é o fruto podre da árvore do orgulho, como definiu nosso Guardião Exu Arranca Toco. Se você planta orgulho, fatalmente colherá vergonha. Temos que aprender a cada dia que qualquer dom ou estado de glória que passamos só é possível porque Deus nos permitiu. Para ilustrar isso basta pensar em um atleta de renome que a qualquer momento pode sofrer um acidente e forçando-o a aposentar-se ou até a algo mais grave como ficar com sua locomoção limitada.


   O exemplo que foi usado é extremo, mas ilustra bem o ponto que queremos chegar. A lei de Deus age nos proporcionando provas para as nossas fraquezas, essas provas se repetem de variadas formas até que se tire a lição necessária. Pessoas orgulhosas muitas vezes são levadas a depender de outras, como a ficar doente de cama, ou necessitarem de ajuda financeira, com isso vão aprendendo a amolecer o coração e aprendendo que não importa como as pessoas o enxergam, mas sim se está bem consigo mesmo. A natureza de cada um é divina, cada ser é único e foi criado com uma energia diferente, por isso não faz sentido que todos se enquadrem nos modelos da sociedade. Certa vez foi dito que todas as pessoas são gênios, mas que se avaliarmos um peixe por sua capacidade de subir em arvores, o mesmo acreditará que é estupido por toda sua vida. 
  
   O Julgamento está intimamente ligado ao orgulho, é ação certamente presente na vida dos orgulhosos. O orgulhoso, que se sente humilhado, é vitima do seu próprio julgamento. Quando ele sofre por ter que aceitar um favor é porque sempre olhou com maus olhos para quem precisou de um. Na bíblia, quando as pessoas queriam apedrejar a adultera, Jesus nos deu uma lição. Cada um que intencionava atirar uma pedra, na verdade se julgava superior, achavam que diminuído outra pessoa, estariam amenizando seus próprios erros. Então Jesus os ensina a olhar mais para si mesmo e só atirar a pedra aquele que não tivesse falhas. É claro que ninguém se atreveu naquele momento a atirar as pedras, mas atualmente o ser humano atira cada vez mais pedras.


   As pessoas muitas vezes confundem pobreza com humildade. Grande erro. Ser pobre não torna alguém humilde, pelo contrario, quantas vezes vemos o pobre se sentir envergonhado por ir à casa de alguém com melhores condições, quantas vezes vemos pessoas que por não poderem contribuir da mesma forma que os outros em uma confraternização preferem nem ir, ainda que os outros participantes façam questão de sua presença e de se deponham para ajudar com a contribuição. Muitas vezes o pobre é quem é soberbo, sendo isso muito comum, inclusive.


   O julgamento é o que gera os conflitos, religiões muitas vezes não se respeitam por acharem-se detentoras da verdade absoluta. Não são. Não existe verdade absoluta, cada um passa pelas provas que precisa e acredita no que tem afinidade. O que serve para o crescimento de um, não serve para o outro. Dentro da própria religião o julgamento e a comparação, infelizmente, sempre estão presentes. Isto causa a desarmonia do ambiente e tira o foco do proposito maior que é o crescimento coletivo e a caridade. Quão contraditório é um religioso que fica apontando as falhas de um irmão? Para que comparar? Certamente temos muito a aprender.

   Esperamos que com fé, atenção e muito trabalho possamos nos libertar dessas atitudes tão venenosas e nocivas que são o julgar e ser orgulhoso. Que possamos olhar cada um para si, em busca da harmonia interna. Cristo nos ensinou também que é impossível servir a dois senhores. Ou nos preocupamos com o que é certo pela lei de Deus ou com os olhos julgadores dos homens. Deixem que pensem o que quiserem, se te insultam, se te acham estupido, se zombam de ti, não vá se desarmonizar por interferências externas. Encontre o seu eu divino.

Axé!

Ricardo de Ogum Matinata

Nenhum comentário:

Postar um comentário