segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Exu

Exu


Sério, alegre, duro, maleável, confuso, claro, determinado, indeterminado, afinal quem é esse ser com tantas características controversas? O que faz ele ser tão diferente? O que tem de tão misterioso? Quais seus mistérios? É de Deus? É do demônio? Que arquétipo é esse? Então vamos lá, vamos falar da entidade mais polêmica da umbanda, e do panteão africano, Exu.


Antes de começar, deixo claro que não é possível em apenas um texto descrever tudo sobre Exu, mas tentarei no decorrer deste deixar o mais claro possível quem é Exu e o que ele representa para Umbanda e os umbandistas. No decorrer dos textos do blog iremos sempre escrever sobre Exus e seus ensinamentos.

Como temos a trindade da linha de Direita, Preto Velho, Caboclo e Erês, temos a trindade da linha de Esquerda, iniciando por Exu, Pombogira e Exu Mirim. Essas trindades baseiam-se em forças divinas conforme cada religião. O simbologismo do número três e a representação das energias masculina feminina e a criança, temos o triângulo perfeito símbolo da criação de Deus que é exata, entre outros significados. A partir da trindade de Esquerda umbandista que, inicia-se por Exu, traz a necessidade de compreender a essência da natureza do Orixá Exu. Para entender de qualquer assunto primeiro temos que saber a origem, saber sua base fundamentadora e sua fonte de energia. Se não leu clique na palavra Orixá Exu e leia o texto antes de retornar a este.

Exu não é coisa do demônio nem coisa do capeta, o que gerou esse pensamento foi a época da escravidão. Resumindo é, os negros trazidos como escravos para o Brasil tinham seus cultos religiosos e adoravam suas divindades, sendo uma delas o Orixá Exu, o culto africano Nagô desconhecia a imagem de diabo o qual a cultura cristã pregava, e com o tempo o culto dos negros às suas dividades foram proibidos. Como forma de pôr fim nos cultos africanos o catolicismo difundiu-os como demoníacos e por base pegaram a imagem de Exu, devido seu símbolo ser um tridente, o associaram ao diabo, o que na verdade tem um simbolismo com o Deus grego-romano Netuno, suas cores vermelho e preto simbolizando as cores conforme cosmologia dos Orixás também foram associadas ao demônio e Exu ainda carrega uma faca na cabeça o que usaram dizendo ser o chifre do diabo. Desta forma o culto aos Orixás ficou difundido como adoração ao diabo e proibido por anos no Brasil e devido a isso até hoje a falta de informação faz com que pessoas acreditem que é do diabo. Também temos o lado dos negros que usaram esse preconceito que criou-se para amedrontar seus patrões, fazendo com que os patrões ficassem com medo deles e parassem de maltrata-los, porém nessa tentativa de causar medo acabavam mortos.

Após essa passagem histórica do Orixá Exu começaram a manifestar as entidades Exu, que são os espíritos que trazem a força divina do Orixá Exu, esses espíritos trazem arquétipo de força, espertos, irônicos, sarcásticos, falantes, alegres, galhofeiros. Eles gostam de mostrar o lado que escondemos ou que não queremos ver. Seus nomes já trazem essa simbologia, geralmente são nomes assustadores, como Exu Caveira, Exu 7 Encruzilhadas, Exu 7 Catacumbas, etc. Esses nomes são justamente para demonstrar que com o preconceito gerado anteriormente sobre o Orixá Exu, eles como entidades que representam aquela energia do Orixá não importam com o que falam deles, para eles os nomes são apenas palavras criadas por nós encarnados e o que realmente importa é o que você faz e não o que dizem de você. Os espíritos são formados de falanges(grupos de trabalho que carregam mesmo nome) então existe milhares de entidades com o mesmo nome. O nome que carregam é pelo trabalho que fazem, como se fosse a profissão no mundo astral, exemplo pedreiro, existem milhares, mas a pessoa que trabalha como pedreiro tem outro nome, assim como os espíritos, mas no caso de Exu raramente vai se ouvir eles falarem seus nomes, irá ouvir falar apenas o nome de trabalho. Assim dividem as falanges pela espécie de trabalho e o que fazem isso determina seu nome.

Exu é controverso, diferente e misterioso, mas na verdade essas não são as características dele e sim nossas, espíritos encarnados, pois Exu é sinceridade e apresenta aquilo que não entendemos e por muitas vezes não queremos entender, somos controversos com nós mesmos, então o diferencial do Exu está nisso, ele não esconde as coisas e sim as mostra, o que para nós, muitas vezes parece ser controverso, mas é porque ele irá usar diversas maneiras de te mostrar a verdadeira realidade.

Exu no mundo espiritual é o guardião que trabalha na escuridão e no umbral. Ao falar dessa maneira parece mais confuso, como que trabalha na escuridão e é coisa do bem? Exu é como se fosse o Policial do mundo espiritual, que trabalha no lugar de violência e tristeza, mas ele trabalha em serviço da luz e não das trevas, esse é o melhor exemplo que define Exu. Temos que compreender que é necessário alguém trabalhar com seres que estão perdidos na escuridão para encontrar a luz e esse trabalhador é Exu. O grande fiscalizador e executor das leis divinas, eles costumam dizer que aqui na terra você pode até enganar a lei, porém no espiritual não é possível, pois eles são os cumpridores e eles trabalham com energia e o que eles fazem é nada mais que cumprir as leis de retorno, conhecido também como Karma, fazem cada um aprender com o que fez, e só assim evoluir, Exu não faz nada pela metade, sempre cumpre seus deveres.

Um conceito importante é "Exu não é bom, e Exu não é mal, Exu é justo". Essa justiça que o torna tão especial e diferente. Em um terreiro de Umbanda, ao se consultar com uma entidade Exu, ele não irá fazer questão de te agradar, ele irá ser sincero com você, irá mostrar sua própria face, revelando aquilo que você precisa de verdade e não o que você acha que precisa. São grandes conhecedores das ciências divinas, desobsessores incríveis, poder de cura muito grande, e abrem os caminhos daqueles merecedores. Exu é considerado o mensageiro das entidades e divindades tendo sua frase: "a umbanda sem Exu não se faz nada". Aquele que busca sua ajuda e ouve com atenção seus conselhos não fica desamparado.


Cada especificação de trabalho citada, como cura, abertura de caminhos e outras é trabalhado por falanges específicas que serão explicadas separadas posteriormente. Os instrumentos de trabalho de Exu são sua insígnia, um tridente (ψ), símbolo do poder neutralizador, um lado positivo outro negativo e o meio neutro, mostrando que Exu no fim sempre trabalha com a neutralidade; Punhal ou adaga simbolizando o corte de tudo que não necessita na vida e de cortar maldades, cortar demandas, cortar amarrações, cortar forças má intencionadas e da perfuração, abrir uma ferida para cicatrização, perfurar para corrigir um opressor e a cura; Temos a capa que vem de um simbolismo antigo de muitas ordens iniciáticas, simbolizando sabedoria e conhecimento, geralmente preta e vermelha, mas temos Exus com capas de outras cores, sendo que a cor da capa mostra seu trabalho, o preto por exemplo absorvendo as energias e neutralizando, o vermelho o sacrifício do "próprio Eu", e outros simbologismos; A cartola de Exu serve para proteger o Chakra Coronário do médium, e suas cores simbólicas; O fumo e a bebida peço para que clique em Bebida e Fumo na Umbanda para poder compreender; A gargalhada de Exu também é um instrumento de trabalho o qual ele emite mantra com fluído energético. Citei apenas alguns dos instrumentos de trabalho de Exu e apenas um pouquinho do que cada um simboliza.

Falar de Exu é complexo, existem vários livros, e obras apenas sobre essas entidades símbolos da felicidade, espero ter contribuído um pouco para esse vasto estudo sobre esses grandes guardiões que fazem com que possamos evoluir e que o universo continue a fluir conforme as leis divinas.

Laroye, é Mojuba, é Odara!
Saravá Exu!
Igor de  Oxum

Nenhum comentário:

Postar um comentário