quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Oxalufã

Oxalufã/Oxalufan



No texto anterior, falamos que Oxalá se desdobra em duas qualidades, sendo a primeira Oxaguiã, representa a força aguerrida dos jovens; em um segundo momento, temos a manifestação de outra qualidade de Oxalá, representado por Oxalufã, que é a manifestação das qualidades daquele guerreiro forte, amoroso e que não media esforços para trazer a paz aos homens.

Neste segundo momento, falta a Oxalufã a força e o vigor físico, momento no qual, manifesta uma variação de força, a tranquilidade, a calma, a paz conquistada, garantida nos dias de luta da juventude. Oxalufã soube usar o vigor e a força física características dos jovens e garantiu à velhice um entardecer suave.

A sabedoria de Oxalá, fez com que este Orixá nos mostrasse o momento certo de viver cada fase da vida, infelizmente muitos jovens, gastam seu vigor, sua força de realização em caminhos tortuosos que consomem suas melhores energias sem se darem conta de que assim como o dia nasce, tem seu ápice e logo a seguir entardece, assim também é a vida, a juventude manifestando toda a potência de realização, onde tudo pode ser criado; o momento de semear e a velhice, onde o Ser colhe aquilo que plantou em sua juventude.



Oxalufã é o ancião que caminha a passos lentos, apoiado em seu cajado, que é um grande bastão de metal branco e em cima a imagem de um pássaro e ornado por discos de metal e pequenos sinos, conhece o chão onde pisa, conhece o solo que o sustenta. Tudo o que se refere a Oxalufã, remete à ideia de paz, paciência.

Os filhos desse Orixá se confundem um pouco com os filhos de Nanã, pois parecem ter mais idade que possuem, pela entidade ser mais velha. São doces, calmos, andam e falam devagar, parecendo idosos. São boas pessoas e sabem que alimentar ressentimentos só faz mal. Sua cor é o branco, seu dia sexta feira.

Na Bahia é muito comum festejar esse Orixá no ritual “Águas de Oxalá” que é uma variação sincretizada dessa festa, é o ato de lavar o chão da Basílica do Senhor do Bonfim, no mês de janeiro, na quinta feira que antecede ao domingo do Bonfim. 

A saudação a Oxalufã é Epa Babá! Exeuê, babá! Suas ervas: algodão e manjericão.


Que Oxaguiã nos inspire a plantarmos o de melhor em nossas vidas, para que assim, quando vier a velhice, o entardecer da vida, possamos colher como Oxalufã paz, tranquilidade e uma velhice honrada e feliz.

Que Oxalá em sua qualidades nos abençoe todos os dias de nossas vidas!

Hélida de Nanã

Nenhum comentário:

Postar um comentário