quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

População do Globo

População do Globo

Kardec, no capítulo IV, na terceira parte, continua seu livro falando sobre a Lei de Reprodução, e em relação à População do Globo; pergunta primeiramente: “A reprodução dos seres vivos é uma lei da Natureza?” 

Explica que é óbvia a reprodução do ser humano ser uma lei natural, pois sem a reprodução a vida humana acabaria.  Logo após faz mais uma pergunta: “Se a população seguir sempre a progressão crescente que vemos, chegará um momento em que ela será exuberante sobre a Terra?” Responde que não, pois Deus provê e mantém sempre o equilíbrio, não faz nada de inútil. 


A Umbanda, por ser uma religião espiritualista e que crê na reencarnação, adota este ensinamento. A reprodução é necessária, assim como a reencarnação que é um meio de evolução.  

Em relação à população continuar crescendo, vem a dúvida se algum dia os homens serão em uma quantidade tão grande e que na Terra não será mais viável para abrigá-los. Mas como Kardec mesmo responde, nosso pai maior Zambi já fez a Terra com tal intuito de suportar a quantidade que for necessária, pois assim previu que chegaria um dia em que a reprodução do homem seria bem mais abundante do que nos tempos próximo à criação. Questão que realmente nos põe para pensar, mas em relação ao nosso Criador não devemos duvidar, pois a Ele tudo é possível.


Ana Clara de Logunam

terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

Limite do Trabalho, Repouso

Limite do Trabalho, Repouso

​O capítulo III do Livro dos Espíritos trata da Lei do Trabalho e nas próximas 4 perguntas será tratado de forma minuciosa a respeito do limite do trabalho e repouso.

​O repouso é essencial para quem trabalha, para descanso do corpo, enquanto matéria. No mesmo repouso, é dada liberdade à mente para elevar acima da matéria. Mas em contrapartida o limite do trabalho, Deus deixa a cargo do homem, ou seja, cada um entende e impõe seu próprio limite dentro da sua disposição e vontade. Neste sentido ainda, todos têm direito de repousar durante a velhice, e da mesma forma, este limiar será diferente a cada ser.


​A quem é detentor de autoridade e economicamente superior é defeso que explore trabalho excessivo. Caso o faça, estará incorrendo em transgressão às leis de Deus, por não se tratar de postura moral.

​Dentro do preceito da Umbanda de sempre ter em mente o amor e a caridade, mais uma vez somos lembrados neste trecho: “O forte deve trabalhar para o fraco. Não tendo este família, a sociedade deve fazer as vezes desta. É a lei da caridade.” Em suma, a mensagem que o excerto acima citado deixa é a que trabalharemos sim, uns para os outros, estaremos juntos, uns pelos outros, mas cada ser dentro do seu limiar. Pois nem justo, nem moral é sequer aceitar que alguém trabalhe além do próprio limite e ainda sem descanso.


​Tais afirmativas se confirmam dentro do terreiro de Umbanda, quando um médium de incorporação trabalha incorporado com seu guia, dando consulta. Mas sempre há respeito do seu guia quando o médium está com alguma enfermidade física e até mesmo psíquica. Quando reparamos algum tipo de enfermidade, aquele guia sempre se recolhe e trabalha somente em plano espiritual.
Sigamos trabalhando em nosso tempo, no nosso limite, em conformidade com a lei de Deus e ao máximo respeito a nossos irmãos em Terra e aos nossos guias espirituais.


​​Adriele de Iansã