terça-feira, 25 de agosto de 2020

Lei Divina

Lei Divina

 

Diferente do que muitos pensam, o mundo espiritual não se difere muito do mundo carnal ao se tratar de sentimentos e ações. Toda ação tem uma reação, isso é chamado de Lei divina, em outras crenças ou formas de pensar pode-se chamar também de Universo, ou Lei universal ou Lei do retorno. São várias as formas que se pode utilizar para nomear o mesmo fator, que nada mais é que a correspondência de tudo aquilo que se faz e retorna para você, não necessariamente do mesmo jeito que fez, porém trazendo o mesmo sentimento e intensidade naquilo que causou a si e ao próximo, em que a criação divina é toda interligada e por ela tudo é transmitido através de ações e sentimentos.

 Os planos carnal e espiritual são totalmente interligados e todas as nossas ações e sentimentos vão trazer próximo de nós, espíritos afins com a energia emanada e, por consequência, as coisas que acontecerão conosco. Não existe ninguém injustiçado se não for injusto e ninguém abençoado se não for bom. Muitas vezes podemos não compreender os acontecimentos por termos conhecimento apenas dos fatos dessa vida, pois em nossas várias encarnações carregamos conosco nossos aprendizados, nossos erros e acertos e procuramos evoluir com base nisso e em nossa atual vida, encarnados.


Isso reflete diretamente em várias coisas que acontecem no que se chama de “acaso”, o qual é simplesmente uma forma de dizer o que não se sabe explicar, porém torno a dizer que é justamente pelo fato das limitações carnais que não sabemos o que são esses “acasos” e nomeamos de sorte ou azar, justiça ou injustiça, não sabendo ao certo o que realmente é verdade ou mentira, e para não termos dificuldades devemos sempre lembrar que Deus é perfeito, que tudo tem um propósito e que somos autores dos nossos próprios destinos, fazendo ele se tornar melhor ou pior através de nossas ações, nossas aceitações e nossas transformações.

Para nos tornarmos seres melhores e em busca de evolução devemos entender a Lei divina e não colocar culpa ou dificuldade nas coisas que acontecem e sempre extrair um aprendizado daquilo que nos acontece, seja bom ou ruim, refletindo assim nossas vidas e voltando para dentro de si, descobrindo nossos defeitos e qualidades, lapidando sua alma e seu espírito para um caminho em torno da luz. Reclamar e colocar a culpa em coisas de fora nunca trará benefícios, pelo contrário, trará prejuízos que por sua vez atrairão ações negativas e mais ações negativas em sua vida criando um círculo vicioso de coisas ruins até que se enxergue diferente ou continue a sofrer por um mal causado a si próprio.

Elevar os pensamentos, amar a ti mesmo, amar ao próximo, confiar em Deus e em sua Lei, saber perdoar, compreender e entender lhe fará uma pessoa mais próspera com caminho ascendente a luz, a dificuldade encontrada por cada um é aquela que apenas você poderá vencer, nunca se comparando ao próximo nem fazendo juízo de quem goste ou não.

 Pai Igor de Oxum


terça-feira, 18 de agosto de 2020

Banho de ervas


Banho de ervas 

Na Umbanda as ervas são utilizadas de diferentes maneiras a fim de auxiliar na manipulação energética, dentre elas destacam-se os banhos. As ervas podem ser divididas em: quentes, mornas e frias, sendo utilizadas para limpeza e equilíbrio energético, sucessivamente. Há também as ervas universais, como por exemplo as rosas, que são ervas neutras cuja energia pode ser moldada de acordo com as ervas as quais se associará.

Por ser uma prática comum em diversas culturas, os banhos de ervas acabaram sendo banalizados com o passar do tempo e realizados incorretamente, sem orientação adequada. É comum que as pessoas tomem banhos por conta própria ou por indicação de terceiros, no entanto seu uso deve ser sempre orientado por um guia espiritual pois, cada planta tem sua particularidade e o momento correto de utilização. Dessa forma o mesmo banho pode ser benéfico para uma pessoa e acarretar danos energéticos a outra. A título de exemplo, se for prescrito um banho para descarrego para uma pessoa em particular, com uso de Arruda (promove uma limpeza profunda e agressiva no campo energético) e outra pessoa realizá-lo sem que haja necessidade de limpeza energética, seu peri-espírito será prejudicado.

Dentre os banhos podemos citar os de descarrego e energizantes como mais comuns,   muitas vezes sendo utilizados de maneira complementar pois os banhos de limpeza energética atuam retirando miasmas e larvas astrais, podendo causar “feridas” no campo áurico durante o processo, dessa forma é comum que os guias orientem a utilização de um banho energizante logo em seguida, utilizando ervas com ação esterilizante e cicatrizante.

Alguns fatores devem ser levados em consideração no momento da preparação do banho como: a temperatura da água (estando relacionada com a expansão ou concentração de energia), o horário e local a ser realizado e a forma como será tomado. Banhos de corpo inteiro são pouco indicados pelos guias, uma vez que podem influenciar na vibração do chakra coronário.

Vale lembrar que nenhum trabalho deve ser realizado sem orientação espiritual, sempre que surgirem dúvidas, devemos questionar para assegurar que a execução seja feita de maneira correta e efetiva.

 Larissa de Iansã e Pedro” de Xangô 


terça-feira, 11 de agosto de 2020

Uma visão espiritualista sobre a pandemia


Uma visão espiritualista sobre a pandemia

Nesse ano de 2020 temos passado por sérias dificuldades relativas ao avanço do coronavírus, limitações de confraternizações, um medo constante de ter a  sua saúde e a de pessoas próximas afetada, medo de perder entes queridos(principalmente idosos e de outros grupos de risco), limitações para trabalhar, muitos perdendo o emprego e muitos não conseguindo cumprir os compromissos e dívidas adquiridas em outra realidade e com outra expectativa de futuro. Apesar de normalmente só enxergarmos esta faceta desse momento, tem sim, vários outros aspectos a serem analisados e aproveitados quando olhamos para tudo isso com um olhar espiritualista. Como veremos, assim como em outras grandes crises e guerras, onde sempre se tiram lições valiosas e sempre se tem algum tipo de avanço, o coronavírus é também uma oportunidade.

Em primeiro lugar, é uma oportunidade de refletir em tudo que está errado na humanidade, sobretudo, quanto a exploração de nossos recursos naturais. Em um curto período em que o bicho homem parou suas atividades fabris e recreativas, a natureza agradeceu muito. Águas límpidas como há muito não se via, grandes centros industriais com um ar puro contrastando com a realidade anterior, são apenas alguns exemplos disso. Sei que quando falamos disso parece hipocrisia e na verdade é. 

Todos querem proteger o meio ambiente, mas praticamente ninguém quer renunciar a suas facilidades para que isso seja possível. Nos acostumamos a viver de tal forma, com tamanhos excessos e desperdícios, que se torna muito difícil de enxergar uma saída. Somos estimulados ao consumismo, onde trabalhamos muito para comprar coisas que não precisamos. É verdade que isso gera empregos, mas enquanto o ser humano não se adaptar para viver harmonicamente com os outros seres, a conta vai chegar. E tem chegado a prestações, com inúmeros desastres naturais, dos quais essa pandemia é apenas um. 

No entanto isso não nos impede de fazer uma reflexão e de tentar fazer um trabalho de formiguinha, a cada dia melhorando um hábito, adotando novas rotinas e escolhendo melhor o que consumir. Parece conversa de ecologista, mas são apenas fatos. O resto da natureza não foi feita para o homem abusar a seu bel-prazer. Nós umbandistas sabemos mais do que ninguém o sagrado que habita em cada elemento da natureza. Poderíamos refletir muito mais sobre isso mas não é o propósito do texto.

Esse momento pode ser também precioso para o desenvolvimento pessoal, na correria do dia-a-dia as pessoas não têm tempo para organizar as ideias, para pensar para onde querem ir e para onde estão indo, normalmente só vamos, sem pensar nos ajustes de percurso necessários para alcançar nossos objetivos. Com esse isolamento, estamos sendo forçados a buscar as respostas mais dentro de nós mesmos, avaliando possibilidades e soluções, tendo ideias, com toda a certeza seremos outras pessoas quando tudo se normalizar, ou pelo menos deveríamos ser. Pessoas que estavam com dificuldades de se fixar em um emprego, por exemplo, estão tendo um tempo para se preparar para o momento em que tudo voltará ao normal. Sabemos que o preparo não é só de cursos e qualificação profissional (que estão ocorrendo online) mas também em uma mudança de atitude, de uma leitura sóbria dos passos errados do passado e da tentativa sincera de ser melhor.

A pandemia também serviu para liberar o que as pessoas têm dentro de si, muitos demonstram compaixão nesse momento em que o outro está com dificuldades. Pessoas tem entregado cobertores e alimento a quem necessita,em plena pandemia, expondo sua saúde a contrair o vírus. Aqueles que tem dinheiro para receber de alguém que devido a situação não poderá honrar a dívida, está tendo que compreender... E muitos tem compreendido e sido caridosos. E que aquele que deve e teve sua dívida congelada, está tendo também a chance de congelar a de quem o deve, assim como na oração do pai nosso: “Perdoai nossas ofensas(dividas), assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido (devido)”. 

Por outro lado, a pandemia tem também aflorado todo o ódio e egoísmo do coração dos que os tem. Os poderosos legisladores e líderes de governo, com a desculpa de cobrir os gastos da pandemia, tem aprovado cortes de direitos do trabalhador pobre e classe média baixa. Enquanto para os poderosos do legislativo, do judiciário, para os ricos e também para os líderes do executivo nada tem sido perdido, inclusive, eles têm tido aumentos reais e significativos. Ou seja, cortam na carne do pobre para garantir seus privilégios. São as doenças do Brasil, um país rico que é saqueado pelo próprio brasileiro há séculos. Com certeza tudo isso também tem um propósito, o aumento desses abusos talvez possa ser, lá na frente, o início do estopim para que o trabalhador exija mudanças. Mais uma vez vamos encerrar por aqui para não fugir ao tema.

Nesse texto tentamos mostrar a pandemia além do que estamos acostumados, sobre o que se pode tirar de positivo em um momento tão difícil, o que ela tem despertado nas pessoas. Falamos também dos aspectos ambientais e políticos que podem parecer que fogem do aspecto espiritual, mas que na verdade também se relacionam. Ressalto que essa é apenas uma leitura do cenário por um espiritualista, longe de ser uma verdade absoluta. Qual é a sua opinião? Aguardamos seus comentários.

Axé

Ricardo de Ogum Matinata

 


terça-feira, 4 de agosto de 2020

A importância da mudança

A importância da mudança

 

    Você já percebeu o quão resistentes somos diante de qualquer mudança? Até mesmo sem perceber ou achando que lidamos bem com a mudança, quando algo foge um pouco do que estamos acostumados, sentimos de alguma maneira.

    Particularmente, como filha de Xangô e com muito a evoluir, tenho uma grande dificuldade em lidar com as mudanças, em quaisquer aspectos da vida, seja em um trajeto realizado todos os dias ou uma mudança drástica pessoal. Mas com as orientações dos guias estou conseguindo lidar, aos poucos, com as mudanças e entendendo que elas acontecem para nos tornar pessoas melhores, nos trazendo grandes aprendizados. Devemos absorver cada um deles, sem medo.

    Certa vez a Cabocla Jurema me disse: "Mudança é para quem tem coragem, não é para qualquer um". Quando elas ocorrem, temos a sensação de que perdemos algo, nos dá medo pois as coisas parecem fugir ao nosso controle, mas isso é nossa mente nos enganando. Mesmo com as devidas mudanças, nossa essência e energia não mudam, o que muda são costumes, coisas materiais etc., para que haja melhoria.

    Temos como grande exemplo o nosso Terreirinho, que desde a sua fundação passou por várias mudanças, tanto em âmbito físico, quanto estrutural e nunca deixou de ser o mesmo, nunca perdeu sua essência ou mudou sua energia e propósito. 

    Somos nós quem dificultamos o processo de mudança quando criamos resistência a ela. Ao nos tornarmos inertes ao processo ou remarmos contra ele, acabamos nos perdendo em frustrações. Quando isso ocorre, muitas vezes é preciso parar, voltar ao início, lembrar do propósito primário de nossas vidas e nos apoiarmos no ensinamento de que todas as mudanças vêm para trazer evolução e melhorias. Dessa forma paramos de enxergar as mudanças como algo ruim e passamos a vê-las com bons olhos.

    Para nos tornarmos mais receptivos às variações que ocorrem em nossas vidas, podemos começar com coisas simples, como por exemplo: pequenas alterações na nossa alimentação ou realizar um trajeto diferente do que estamos habituados a fazer diariamente. E se tentássemos mudá-lo? Uma nova rota te leva ao mesmo lugar, porém proporcionando experiências diferentes.

    A mudança é importante na vida de todos nós, é com ela que criamos a nossa melhor versão, evoluímos e lembramos que podemos sempre nos adaptar, por mais adversas que as situações pareçam, sem nos perder, sem perder nossa essência. Aceitar a mudança é evoluir, como o Exú Mirim Calunguinha me disse uma vez: "Umbanda é evolução e não existe evolução se não há mudança". Então as aceite, sejam quais forem e consequentemente a evolução virá.

    Se você se encontra relutante às modificações que aparecem em sua vida, comece com pequenos passos e verá que, aos poucos, conseguirá se adaptar e enfrentar grandes mudanças interiores A evolução não acontece do dia pra noite, é aos poucos, com um passo de cada vez. Confie em si!

 "É nos ventos das mudanças que encontramos a nossa direção!"

 Eparrey Iansã

 

Karol de Xangô